Pinturabrasileira.com
TEL: +55 11 5535-5961
+55 11 2729-5585
 
   
 

Artistas

Abramo, Lívio
Abreu Amaral, Antonio Henrique
Aguilar, José Roberto
Amaral, Tarsila do
Andrade, Farnese de
Araujo, Carlos
Araújo, Emanoel
Araújo, Octávio
Bandeira, Antonio
Baptista da Costa, João
Baravelli, Luíz Paulo
Bárrio, Artur
Barsotti, Hércules
Bava, Ubi
Bianco, Enrico
Bonadei, Aldo
Brecheret, Victor
Burle Marx, Roberto
Cabral, Antônio Hélio
Camargo, Iberê
Carvalho, Flávio de
Carvão, Aluisio
Carybé, Hector
Castelli, Roberta
Castelli, Roberto
Charoux, Lothar
Cid, Bernardo
Citti Ferreira, Lucy
Dacosta, Milton
De Fiori, Ernesto
Di Cavalcanti, Emiliano
Di Prete, Danilo
Dias, Antônio
Dias, Cícero
Djanira, Motta e Silva
Duke Lee, Wesley
Esquiavan, André
Fiaminghi, Hermelindo
Figueira, Joaquim
Franco, Siron
Gerchman, Rubens
Giorgi, Bruno
Gobbis, Vittório
Goldberger, Ana
Gomide, Antonio Gonçalves
Graciano, Clovis
Gruber, Paulo Fernando
Gruber, Mario
Guerra, Julio
Guersoni, Odetto
Guignard, Alberto da Veiga
Ianelli, Arcângelo
Ianelli, Thomas
Krajcberg, Frans
Kuhn, Heinz
Lauand, Judith
Lemos, Fernando
Leonilson Bezerra Dias, José
Leontina, Maria
Ludolf, Rubem
Mabe, Satoru
Mabe, Manabu
Machado, Juarez
Malfatti, Anita
Maluf, Antônio
Martins, Aldemir
Martins, Manoel
Marx, Antonio
Mattos, Adriana
Mecatti, Dario
Meireles, Cildo
Milhazes, Beatriz
Milliet, Sérgio
Monteiro, Vicente do Rego
Nogueira Lima, Maurício
Odriozola, Fernando
Ohtake, Tomie
Oliveira, Raimundo de
Pancetti, José
Parreiras, Antônio
Paula, Inimá de
Pennacchi, Fulvio
Peticov, Antônio
Piza, Arthur Luiz
Piza, Domingos Toledo
Polo, Maria
Portinari, Cândido
Poteiro, Antonio
Rebolo, Francisco
Ribeiro, Ubirajara Motta Lima
Sacilotto, Luiz
Schendel, Mira
Scliar, Carlos
Segall, Lasar
Serpa, Yves
Serpa, Ivan
Shiró, Flavio
Sigaud, Eugênio de Proença
Silva , José Antônio da
Silva, Francisco da
Squeff, Enio
Sued, Eduardo
Tenreiro, Joaquim
Teruz, Orlando
Torres, Caciporé
Toyota, Yutaka
Tozzi, Claúdio
Tuneu, Antonio Carlos Rodrigues
Vallauri, Alex
Vieira, Joana
Vieira, Décio
Visconti, Eliseu
Volpi, Alfredo
Zanini, Mário

 subir

 
Voltar    

Biografia de Anita Malfatti


Anita Catarina Malfatti (São Paulo, 2 de dezembro de 1889 – São Paulo, 6 de novembro de 1964), pintora, desenhista, gravadora, ilustradora e professora. O início de sua instrução artistísca e cultural foi iniciada por sua mãe, a americana Betty Malfatti, professora de pintura e línguas. Por causa de uma atrofia no braço e na mão direita, Anita transformou-se em canhota, utilizando a mão esquerda para pintar.




Em São Paulo, estudou no Mackenzie; na Alemanha, estudou na Academia Real de Belas Artes de Berlim. Em Nova York, teve aulas de pintura, desenho e gravura com diversos artistas na Arts Students League of New York, na Independent School of Art e trabalhava fazendo ilustrações para as revistas Vanity Fair e Vogue.




Passou a ser conhecida após uma de suas exposições (organizada por Di Cavalcanti), quando o escritor Monteiro Lobato fez uma crítica destrutiva da artista que quase acabou com sua fabulosa carreira. Após essa época, alterou sua temática, produzindo, naturezas-mortas, retratos, paisagens e cenas populares.




No fim da década de 10, em São Paulo, estudou pintura no ateliê do artista plástico Pedro Alexandrino, onde conheceu Tarsila do Amaral. Lecionou desenho na Escola Americana, na Universidade Mackenzie, na Associação Cívica Feminina e em seu próprio ateliê (este frequentado por inúmeros artistas).




Ganhou pelo Pensionato Artístico do Estado de São Paulo uma bolsa de estudos em Paris.




Fundou com Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti Del Pichia o Grupo dos Cinco, em 1922, e participou da Semana de Arte Moderna. Anos mais tarde, integrou na Sociedade Pró-Arte Moderna (SPAM), na Família Artística Paulista (FAP) e participou do Salão Revolucionário.




Em 1942, foi presidente do Sindicato dos Artistas Plásticos de São Paulo. Sua primeira retrospectiva aconteceu no Museu de Arte de São Paulo, em 1949. Expôs também no 1º Salão Paulista de Arte Moderna e na 1ª Bienal Internacional de São Paulo.




Após a morte de sua mãe, Anita se afastou do meio artístico por algum tempo, no entanto, quando regressou oficialmente em uma exposição individual de 1955, a artista apresentou suas obras produzidas nesse período de reclusão. Seu novo tema, era exclusivamente a arte popular brasileira, opção esta, considerada por ela e por diversos profissionais sua melhor e mais pura fase.





*FOTO: Anita Malfatti e seu Tempo. Centro Cultural Banco do Brasil (pág. 23); Rio de Janeiro, 1996.


 
©2001-2014 Pinturabrasileira.com   Todos os direitos reservados.
By Guest

contato@pinturabrasileira.com